O Romanismo Aqui Dentro
4 de agosto de 2016
Contracultura #13 – A Inexplicável Bondade de Jesus
10 de agosto de 2016

Pokémon e as estratégias de Satanás

Gostaria tan­to que Jesus fos­se procu­ra­do como são procu­ra­dos hoje os Poké­mon!” — alguém pos­tou.

Con­cor­do. Mas para isso acon­te­cer, o primeiro pas­so é enchar­car nos­sos púl­pi­tos com Jesus, inun­dar nos­sos Cul­tos Jovens com Jesus, ato­lar nos­sas Esco­las Sabati­nas em Jesus, avas­salar nos­sas pro­gra­mações as mais diver­sas com Jesus.

Cada ser­mão gas­to com Poké­mon, Digi­mon, Meto a mão, é um ser­mão a menos falan­do de Cristo.

Cada Cul­to Jovem falan­do de rock, maquiagem, cin­e­ma, men­sagem sub­lim­i­nar é um Cul­to Jovem a menos falan­do de Cristo.

Cada pro­gra­mação falan­do de qual­quer out­ra coisa que não seja Cristo, é uma opor­tu­nidade per­di­da de faz­er as pes­soas se apaixonarem por Cristo.

Satanás tem con­segui­do sim usar Poké­mon para uma coisa: tirar Jesus e a Bíblia dos púl­pi­tos e nos colo­car para dis­cu­tir os male­fí­cios de Poké­mon.

E a cada sem­ana uma nova armadil­ha satâni­ca surge.
E a cada sem­ana uma nova des­cul­pa para não falar da Bíblia.

Quan­do assis­to ou leio algo crit­i­can­do um filme, série, desen­ho, jogo na igre­ja, min­ha primeira reação é quer­er ir ver eu mes­mo essa coisa.

Mas alguém diria: temos que aler­tar nos­sos jovens dess­es peri­gos.

Não estou de for­ma algu­ma isen­tan­do qual­quer que seja o prob­le­ma que a arma satâni­ca dessa sem­ana pos­sa causar aqui den­tro e lá fora. Não mude de assun­to. Foca no pon­to em questão.

O que quero deixar bem claro é: alguém que é doutri­na­do em cima de uma sól­i­da noção de nutrição e edu­cação ali­men­tar não pre­cisa ser lem­bra­do con­stan­te­mente que Coca-Cola faz mal.
O mes­mo se vale para a Bíblia.

Não há neces­si­dade de faz­er do assun­to do ves­tuário [e qual­quer out­ro assun­to per­iféri­co] o pon­to prin­ci­pal de vos­sa religião. Há algo mais valioso de que falar. FALAI EM CRISTO; e quan­do o coração estiv­er con­ver­tido, tudo o que não está em har­mo­nia com a Palavra de Deus será ban­ido.”
Evan­ge­lis­mo, pág. 272

Ain­da vive­mos um saudo­sis­mo, um pre­cio­sis­mo de uma supos­ta era doura­da onde éramos o povo da Bíblia, quan­do a real­i­dade hoje não é nada mais que um páli­do vestí­gio dis­so.

Prefe­r­i­mos falar sobre qual­quer out­ra coisa em nos­sos cul­tos. A Bíblia se tornou enfadon­ha.

Exal­tai a Jesus, vós que ensi­nais o povo, exal­tai-O nos ser­mões, em cân­ti­cos, em oração. Que todas as vos­sas forças con­vir­jam para diri­gir ao “Cordeiro de Deus” almas con­fusas, trans­vi­adas, per­di­das. Exal­tai-O, ao ressus­ci­ta­do Sal­vador, e dizei a todos quan­tos ouvem: Ide Àquele que “vos amou, e Se entre­gou a Si mes­mo por nós”. Efé­sios 5:2. Seja a ciên­cia da sal­vação o tema cen­tral de todo ser­mão, de todo hino. Seja man­i­fes­ta­do em toda súpli­ca. Não intro­duzais em vos­sas pre­gações coisa algu­ma que seja em suple­men­to a Cristo, a sabedo­ria e o poder de Deus. Man­tende per­ante o povo a Palavra da vida, apre­sen­tan­do Jesus como a esper­ança do arrepen­di­do e a for­t­aleza de todo crente.
Obreiros Evangéli­cos, 159, 160

Denun­ci­amos nos­so laz­er, denun­ci­amos nos­sas com­pan­hias, denun­ci­amos nos­sas pro­gra­mações em que­si­to de for­ma­to, denun­ci­amos nos­sos esti­los musi­cais…
…mas ninguém se impor­ta em denun­ciar a seca de Cristo nos cul­tos.

O Cristo cru­ci­fi­ca­do que Paulo se propôs a pre­gar exclu­si­va­mente se tornou ape­nas um adorno de dis­cur­sos cheios de opinião humana e sen­ti­men­tal­is­mo human­ista.

E não se engane, um dis­cur­so com alguns ver­sos bíbli­cos não é um ser­mão, é ape­nas um dis­cur­so com alguns ver­sos bíbli­cos.

Os min­istros pre­cisam apre­sen­tar a Cristo em Sua plen­i­tude, tan­to nas igre­jas, como em novos cam­pos, a fim de que os ouvintes pos­suam fé esclare­ci­da. O povo deve estar instruí­do de que Cristo lhe é sal­vação e justiça. É o estu­da­do desígnio de Satanás impedir as almas de crer em Cristo, como sua úni­ca esper­ança; pois o sangue de Cristo, que purifi­ca de todo peca­do, só é efi­caz em favor daque­les que acred­i­tam em seus méri­tos.
Obreiros Evangéli­cos, 162

Claro que Poké­mon é mais legal, eu cresci ven­do Poké­mon.
Mas não cresci ouvin­do de Cristo.

Ao falar­mos na força de Satanás, o inimi­go con­sol­i­da mais seu poder sobre nós. Quan­do falam­os no poder do Onipo­tente, o inimi­go é repeli­do.”
Men­sagens aos Jovens, 105

Cresci ouvin­do as fal­ca­truas do demônio, as estraté­gias de Satanás. É tudo o que eu sei.
Não faço ideia acer­ca do poder de Cristo para trans­for­mar e dom­i­nar min­ha vida pelo Espíri­to através de sua graça.

Con­tin­uo tratan­do o Dia­bo como a parte prin­ci­pal do meu rela­ciona­men­to.

Cristo foi enfáti­co em diz­er que as por­tas do infer­no não supor­tari­am o ataque da igre­ja.

Por­ta é instru­men­to de defe­sa, e não de ataque.
Mas de algu­ma for­ma a gente pas­sou a acred­i­tar que as por­tas do infer­no são uma arma de ataque que o Dia­bo usa para faz­er a igre­ja recuar cada vez mais.

Dê ao povo a ver­dade pre­sente. Fale sobre a ver­dade. Encha a mente deles com a ver­dade. Edi­fique as for­t­alezas da ver­dade. E não apre­sente as teo­rias de Satanás a quem não deve ouvir a respeito delas. O que o povo neces­si­ta NÃO É UMA APRESENTAÇÃO DAS SEDUTORAS ARTES DE SATANÁS, mas uma apre­sen­tação da ver­dade tal como é em Jesus. Lem­bre-se de que o dia­bo pode ser servi­do por uma repetição de suas men­ti­ras. […] Ess­es assun­tos NÃO DEVEM SER LEVADOS A NOSSAS REUNIÕES. […] Não é obra do min­istro do evan­gel­ho dar voz às teo­rias de Satanás. […] Exalte a ver­dade; engrandeça-a; diga: ‘ESTÁ ESCRITO’”
Evan­ge­lis­mo, p. 624

E quan­to mais as por­tas do infer­no avançam, mais o reino de Deus recua den­tro dos tem­p­los que hoje só estão servin­do para pes­soas acharem Poké­mon.

Pas­sou da hora do reino avançar metendo a bicu­da nas por­tas do infer­no, invadin­do o sub­mun­do e arran­can­do de lá cada alma apri­sion­a­da pelo peca­do.

Temos que pegá-los! Temos que pegá-los!

 

Con­fi­ra o pod­cast Pupi­las em Brasas falan­do um pouco mais sobre Poke­mon GO: