Cinegoga #07 — Os Miseráveis: além da letra da lei
28 de Janeiro de 2016
Crônicast #31 – Presente no Pretérito
3 de Março de 2016

Itunes

Acred­i­to que poucos ouvi­ram falar do filme que irei abor­dar hoje. Primeiro porque ele é um filme alemão. E geral­mente ficamos saben­do ape­nas dos filmes que são pro­duzi­dos nos Esta­dos Unidos. As vezes temos pre­con­ceito com a pro­dução cul­tur­al européia, mas exis­tem exce­lentes mate­ri­ais sendo pro­duzi­dos fora dos Esta­dos Unidos. A segun­da razão para esse filme ser meio descon­heci­do é que ele é bem alter­na­ti­vo, com uma temáti­ca bem soci­ológ­i­ca, mas eu acho impor­tante mesclar­mos os filmes pipoca (aque­les que são pro­duzi­dos ape­nas como jus­ti­fica­ti­va de com­er­mos pipoca enquan­to vemos algu­ma coisa legal na TV)  com out­ros filmes um pouco mais cabeça, o chama­do filme cult, com lições e dis­cussões inter­es­santes sobre o nos­so mun­do.

Bem, já enrolei demais e ain­da nem falei o nome do filme. Ele se chama Eduka­tors. Eu avi­sei que era alter­na­ti­vo e que você nun­ca tin­ha ouvi­do falar dele, né?  Nor­mal, não se assuste com isso. O plot desse filme é bem sim­ples. Ele con­ta a história de um grupo de jovens uni­ver­sitários da classe média, que são revolta­dos com a existên­cia da desigual­dade social. Essa expressão boni­ta nada mais quer diz­er do que, alguns tem muito din­heiro e out­ros tem pouco. Ou seja, desigual­dade social se ref­ere ao prob­le­ma de dis­tribuição da riqueza em um país. O Brasil sofre desse grande mal.0008 edukators Ao lado de uma favela onde pes­soas pas­sam fome, vemos um bair­ro com man­sões e, até mes­mo, des­perdí­cio de comi­da.

Por causa da desigual­dade social, que diga-se de pas­sagem, é bem menor lá na Ale­man­ha, onde se pas­sa o filme, os edu­cadores deci­dem invadir a casa de alguns ricos, mas não para roubar ou algo assim. Eles inva­dem a casa mudam todos os móveis e eletrôni­cos de lugar e escrevem na por­ta da sala:  você é rico, mas sua riqueza não te dá total segu­rança, estive­mos aqui, assi­na­do Eduka­tors. Men­sagem inter­es­sante, cer­to?

No restante do filme eles pas­sam dis­cutin­do se esse tipo de ação estaria cor­re­ta ou não. Como é quase certeza que você não ten­ha vis­to esse filme, não irei seguir adi­ante na história para não te atra­pal­har caso queira ver o filme.

Mas uma coisa eu acho muito inter­es­sante em toda essa dis­cussão. Será que ser rico é um prob­le­ma? Será que não dev­e­ria exi­s­tir riqueza no mun­do? A pes­soa rica é cul­pa­da por ser rica? Afi­nal, se você tra­bal­har bas­tante e acer­tar na vida, que cul­pa você teve de ficar rico? Você não mere­ceu essa riqueza? Todas essas per­gun­tas são muito inter­es­santes e devem ser dis­cu­ti­das por todos nós, prin­ci­pal­mente aque­les que se con­sid­er­am reli­giosos. Até mes­mo Jesus entrou em assun­tos rela­ciona­dos ao din­heiro, riqueza e pobreza. Mas ten­ho certeza de que nun­ca chegare­mos a uma respos­ta sat­is­fatória para esse impor­tante prob­le­ma soci­ológi­co.

Mas veja bem. Não é porque não vou dar uma respos­ta defin­i­ti­va (assim como o filme não dará), que irei me abster de tirar um out­ra impor­tante lição dessa obra. Não deve­mos ver filmes ape­nas com temáti­cas sim­ples e que nos deix­am felizes. Essas obras tam­bém podem e devem servir para que pos­samos pen­sar, dis­cu­tir e achar soluções para os prob­le­mas em que vive­mos. Não veja filmes ape­nas para com­er pipoca. Seja mais do que isso. Se você vê filmes, pare para pen­sar no que você está ven­do e, prin­ci­pal­mente, no por que de você estar ven­do.

Episódios aleatórios:

Outras postagens do site: