Cinegoga #05 — Ensaio Sobre a Cegueira: ver sem enxergar
14 de Janeiro de 2016
Cinegoga #07 — Os Miseráveis: além da letra da lei
28 de Janeiro de 2016

Itunes

Existe uma série de livros muito famosas no mun­do todo. Bem, pelo menos ela é famosa para aque­les que a con­hecem. E eu pos­so afir­mar que quem a con­hece, geral­mente vira um grande fã e, rara­mente, a esquece. Uma pro­va dis­so é que, a cada ano, no dia 24 de maio, várias pes­soas ao redor do mun­do saem de suas casas car­regan­do uma toal­ha. Parece uma grande lou­cu­ra, e eu real­mente acho que é. Mas mostra a força que essa série de livros tem sobre aque­les que a con­hecem. É claro que estou falan­do do Guia do Mochileiro das Galáx­i­as. Série de 5 livros de auto­ria do escritor britâni­co Dou­glas Adams.

Através de um mis­to de comé­dia e ficção cien­tí­fi­ca, a série pre­tende abor­dar temas filosó­fi­cos do cotid­i­ano de cada ser humano. O autor sem­pre tem um posi­ciona­men­to claro a respeito de muitos assun­tos impor­tantes acer­ca de nos­sa vida em comu­nidade, e emb­o­ra eu não con­corde com vários dess­es posi­ciona­men­tos, acho muito inter­es­sante con­hecer e poder dis­cu­tir tal visão de mun­do.0006 mochileiro Não deve­mos entrar em con­ta­to ape­nas com livros, filmes e pes­soas que con­cor­dem conosco. Isso não seria saudáv­el e acred­i­to que nem humana­mente pos­sív­el. Assim, mes­mo não con­cor­dan­do com a for­ma com que Dou­glas Adams, que pub­li­ca­mente se declara ateu, tra­ta a religião, não acred­i­to que ele deva ser igno­ra­do por dis­cor­dar de mim. Muito pelo con­trário, eu quero ler, ver e ouvir suas opiniões. Afi­nal, se min­ha fé em Deus é ver­dadeira e firme, não dev­e­ria temer ser ques­tion­a­do. Claro, tudo tem lim­ites, e cada um sabe seu lim­ite indi­vid­ual.

Bem, vamos falar do livro? A série con­ta uma história muito inter­es­sante, onde o plan­e­ta Ter­ra foi destruí­do e somente um casal de humanos sobre­viveu. E isso só foi pos­sív­el graças a uma tremen­da sorte que eles tiver­am de estarem via­jan­do fora do plan­e­ta Ter­ra no momen­to da destru­ição. Com esse pano de fun­do, o livro dis­cute muitos assun­tos inter­es­santes, como pre­con­ceito, filosofia, o sen­ti­do da vida entre out­ras coisas.

Uma das cenas mais con­heci­das e citadas se encon­tra no primeiro livro. Cansa­dos de não saberem qual o sen­ti­do da vida, ou seja, o porquê de estar­mos vivos e exi­s­tir­mos, dois seres espa­ci­ais deci­dem cri­ar um super­com­puta­dor com o qual eles final­mente pode­ri­am cal­cu­lar o sen­ti­do da vida, do uni­ver­so e tudo mais. Depois de muitos cál­cu­los e recál­cu­los o com­puta­dor encon­tra a respos­ta para essa estran­ha per­gun­ta sobre a vida, o uni­ver­so e tudo mais. Sabe qual foi ela? 42. Isso mes­mo, a respos­ta foi 42. E não, você não está fican­do louco. Isso tam­bém não fez sen­ti­do para os dois seres espa­ci­ais que cri­aram aque­le super­com­puta­dor. Eles per­gun­taram para o super­com­puta­dor a mes­ma coisa que eu e você esta­mos queren­do saber ago­ra. Como assim, 42?

A respos­ta foi uma das coisas mais inter­es­santes que eu já ouvi em toda a min­ha vida. Ele disse o seguinte: Olha, pes­soal. Eu fiz as con­tas várias vezes e ten­ho certeza da respos­ta. Real­mente é 42. O sen­ti­do da vida, do uni­ver­so e tudo mais é 42. O prob­le­ma é que vocês não sabem a per­gun­ta cer­ta, mas quan­do desco­brirem a per­gun­ta, final­mente vão enten­der a respos­ta. Que coisa mais fan­tás­ti­ca. Isso já acon­te­ceu comi­go várias vezes. Ten­ho uma respos­ta, acho que enten­di a vida, mas na ver­dade estou per­di­do por nem ao menos ter com­preen­di­do a per­gun­ta.

E essa ideia vale para vários out­ros aspec­tos de nos­sas vidas. Não deve­mos ser pes­soas regi­das por respostas prontas que nem ao menos sabe­mos o que sig­nifi­cam. Pre­cisamos enten­der as per­gun­tas da vida e só então bus­car uma respos­ta por nós mes­mo.

Episódios aleatórios:

Outras postagens do site: