As Implicações da Cruz (O Problema do Mal — parte 7)
17 de Janeiro de 2015
Crônicast #29 — Venha a Nós o Teu Reino
30 de Janeiro de 2015

As Implicações da Cruz — Final (O Problema do Mal — parte 8)

Uma segun­da difer­ença que a cruz faz, numa primeira olha­da parece exata­mente o opos­to da primeira. Todos nós temos uma neces­si­dade fun­da­men­tal de nos val­orizarmos e ser­mos val­oriza­dos pelos out­ros. Mas como podemos nos val­orizar se recon­hecer­mos que a semente do mal é algo que está den­tro de nós? Parece que quan­to mel­hor nos con­hece­mos, mais ire­mos nos odi­ar e pior ire­mos nos sen­tir. Como podemos ele­var nos­so sen­so de val­or próprio sem escapar da real­i­dade som­bria que nos cer­ca? É aí que a cruz entra.

Quan­to vale um ser humano? Depende do con­tex­to. Se eu fos­se der­reti­do de vol­ta aos com­pos­tos quími­cos que me con­stituem, eu vale­ria algo em torno de 70 reais. Mas o brasileiro médio vale para seu empre­gador muito mais do que isso, cer­ca de 25 mil reais por ano. Mas supon­ha que você seja um grande jogador de fute­bol como o Ney­mar. De repente, seu val­or sobe para mil­hões de reais por ano. E se você fos­se um nerd desen­volve­dor de um sis­tema de com­puta­dor que a maio­r­ia do mun­do usa, você vale­ria dezenas de bil­hões de reais.

Perce­ba que nós somos val­oriza­dos em ter­mos do que os out­ros vêem em nós. Mas de acor­do com a Bíblia, o val­or humano é infini­ta­mente maior do que o val­or que nós atribuí­mos uns aos out­ros. De acor­do com a Bíblia, Jesus valia mais que todo o uni­ver­so, pois ele o criou, e ain­da assim ele sabe tudo sobre nós e nos ama como somos. Quan­do ele mor­reu na cruz, ele esta­b­ele­ceu o val­or do ser humano. Quan­do o Cri­ador do uni­ver­so e de tudo nele, incluin­do os grandes atle­tas e estre­las de cin­e­ma que as pes­soas ven­er­am, decide mor­rer por você e por mim, isso atribui um grande val­or a nos­sas vidas. E já que o Jesus ressur­re­to nun­ca mor­rerá nova­mente, meu val­or está asse­gu­ra­do nele enquan­to eu viv­er.

É por isso que a cruz pro­duz um ver­dadeiro e estáv­el sen­so de val­or. É isso que trans­for­ma aque­la Sex­ta em Jerusalém num dia tão espe­cial. A cruz não é ape­nas uma atro­ci­dade. Ela tem a ver com a dis­posição de Deus em assumir a carne humana e se rev­e­lar para nós onde esta­mos. Tem a ver com o val­or que a raça humana tem aos olhos de Deus. Ela prov­i­den­cia esper­ança para um mun­do mel­hor. Como?

A mel­hor esper­ança para um mun­do prob­lemáti­co é uma autên­ti­ca cam­in­ha­da com Deus que não ape­nas rev­ela o mal que existe den­tro de nós, mas que tam­bém enx­er­ga nos out­ros o val­or que Deus vê neles. Se todos nós somos valiosos emb­o­ra sejamos fal­hos, todos os out­ros que bus­cam a Deus se tor­nam valiosos ali­a­dos na batal­ha de cri­ar um mun­do mais gen­til e ten­ro. Arma­dos com um claro retra­to da real­i­dade e um sen­so de nos­so val­or, podemos nos tornar agentes de mudança neste mun­do. Uma vez que sou­ber­mos a per­gun­ta cer­ta, será óbvio que “Jesus é a respos­ta”.

via Jon Paulien
revelation-armageddon.com

Outros episódios avulsos:

Outras postagens do site: