Legalismo ou Amor?
16 de setembro de 2013
Crônicast #10 – Meu mundo, meu sangue
15 de outubro de 2013

A Guerra da Graça

Todavia, Deus, que é rico em mis­er­icór­dia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida jun­ta­mente com Cristo, quan­do ain­da está­va­mos mor­tos em trans­gressões — pela graça vocês são salvos. Efé­sios 2:4–5

Graça é uma palavra que pos­sui pouco uso em nos­so dia a dia. Nós podemos diz­er que alguém foi “gra­cioso” se ele foi legal ou bon­doso, ou podemos can­tar a famosa músi­ca “Graça Excel­sa” no cul­to famil­iar ou na igre­ja, mas o real sig­nifi­ca­do des­ta palavra na maio­r­ia das vezes se perdeu den­tro de nós. Mas a razão para essa desconexão com a graça é mais pro­fun­da do que mera evolução da lin­guagem. No coração da graça há um escân­da­lo que é impos­sív­el de super­ar sem inter­venção sobre­nat­ur­al.

Graça sig­nifi­ca “favor imere­ci­do”, e é jus­ta­mente aí que mora o dile­ma. Todos nós quer­e­mos o favor e a bênção de Deus, mas nós quer­e­mos merecê-la. Nós quer­e­mos deses­per­ado­ra­mente tra­bal­har para Deus em tro­ca de nos­sa dívi­da. Quer­e­mos mostrar que somos dig­nos de seu amor e atenção. Mas a razão porque isso é tão difí­cil, é que não faze­mos isso por humil­dade e sen­so de dívi­da, mas por orgul­ho e sober­ba. Se pud­er­mos de algu­ma for­ma ser­mos bons o sufi­ciente, então não pre­cis­are­mos aceitar a “aju­da” de Deus. Nós nos apre­sen­ta­mos como dig­nos em nos­sa própria justiça e tomamos um pas­so em direção a ser­mos deuses nós mes­mos.

A primeira vez que os humanos recusaram a graça de Deus, eles quis­er­am ser como Ele, e esse mes­mo dese­jo foi pas­sa­do deles para cada ser humano. Essa é a guer­ra da graça, e ela é implacáv­el. Nós renomeamos o orgul­ho como “autoes­ti­ma” e “inde­pendên­cia” e as chamamos de vir­tudes. Isso cria um vácuo entre o Cri­ador e suas criat­uras e nos obri­ga a entrar em uma infind­áv­el e exaus­ti­va ten­ta­ti­va de medir essa dis­tân­cia queren­do encurtá-la. Sem um mila­gre, esta­mos total­mente emper­ra­dos.

A boa notí­cia é que enquan­to esta­mos mor­tos em nos­so peca­do, ain­da tra­bal­han­do para ter o favor de Deus, Ele nos deu uma nova vida. Jesus foi a úni­ca pes­soa a viv­er uma vida per­fei­ta e mere­ce­do­ra do amor de Deus. Ele viveu essa vida porque nós nun­ca con­seguiríamos. E por causa de Cristo nós somos per­feita­mente aceitos e ama­dos por Deus. Esse é o mila­gre da graça!

Outros episódios avulsos:

Outras postagens do site: